Mobilidade Urbana Brasileira

Mobilidade Urbana Brasileira

Um dos maiores problemas nas grandes cidades do país

 

A questão da mobilidade urbana é um tema debatido recorrentemente pelo governo, motoristas, e até já foi um tema cotado para cair na redação do Enem. O fato é que a dificuldade para se locomover dentro das cidades vem ficando cada vez maior, e em uma época em que se valoriza tanto a qualidade de vida, o congestionamento e o estresse diário são os maiores inimigos da população.

Estima-se que, em média, um morador da capital paulista passe mais de um mês e meio preso no trânsito durante o ano inteiro. Em 2017, eram 8,6 milhões de veículos circulando por São Paulo, número que cresceu em mais de 2 milhões nos últimos dez anos.

Essa situação é similar em outras capitais do país. O mau serviço do transporte público, os incentivos fiscais para a compra de carros (como o IPI reduzido), e as más condições de ciclovias, são alguns dos fatores que contribuem ainda mais para o caos da mobilidade urbana. Além disto, existe também a questão social. Em um país no qual o transporte público é precário, adquirir um carro ou moto é sinônimo de liberdade, conforto e de status social.

Outro fato preocupante, é o número de mortes em acidentes de trânsito no país. Segundo a Organização Mundial da Saúde, o Brasil é o 5º país do mundo em mortes deste tipo, atingindo principalmente jovens entre 20 e 24 anos de idade.

     Existe solução para esse problema?

            Um dos métodos para melhorar a mobilidade urbana mais conhecido no país, é o rodízio de placas. Em dias de semana específicos, alguns carros ficam impedidos de circular por causa dos números finais da placa. É uma solução controversa, já que alguns afirmam que o rodízio estimula a carona solidária, e outros dizem que isso aumenta a venda de veículos, principalmente nas classes mais altas.

O ideal seria um alto investimento em melhorias no transporte público e incentivos para o transporte alternativo, como a bicicleta. Além de auxiliarem na redução do número de veículos nas ruas, são meios ecologicamente corretos, e contribuem para uma cidade mais limpa e com menos emissão de gases causadores do efeito estufa, como o CO2.

A bicicleta ainda por cima, contribui para a saúde do cidadão, reduzindo os níveis de colesterol e diminuindo as chances de desenvolver doenças cardíacas, sem falar da economia, pelo fato de ter a manutenção mais barata que um carro ou moto.

A tecnologia também pode ser grande aliada nesse ponto. De acordo com a pesquisa de mobilidade realizada em 2012 pelo Metrô de SP, a principal razão pela qual as pessoas saem de casa, é o trabalho (46%), seguido pela educação (32%).

Nestes casos, a possibilidade de fazer as coisas de maneira online, sem precisar sair de casa, pode significar menos carros nas ruas. Educação a distância e web conferências estão se tornando cada vez mais comum.

O uso de aplicativos que mostram rotas alternativas também é um aliado contra congestionamentos, já que mostra ao motorista, alternativas de novas rotas sem tanto fluxo de veículos.

   Ciclovias a favor da mobilidade urbana

            O tempo preso no trânsito realmente é um dos principais fatores para a adoção da bicicleta como meio de transporte. 42,9% dos brasileiros leva em conta a rapidez e a praticidade na hora de sair de casa com a bike (dados da pesquisa Perfil do Ciclista Brasileiro).

Mas a vontade de chegar mais rápidos nos lugares, encontra diversos obstáculos no caminho, principalmente a falta de segurança e de estrutura nas vias urbanas. Em média, 32 ciclistas são internados por dia no país, devido a atropelamentos.

Apesar das cidades brasileiras ainda estarem longe de lugares como Amsterdã e Copenhagen (as duas melhores cidades do mundo para andar de bicicleta), algumas capitais estão investindo cada vez mais na construção de ciclovias. Em Curitiba, por exemplo, a malha cicloviária aumentou 71,3% desde 2013, são quase 100km a mais de ciclovias nas ruas. Mas apenas pintar espaços exclusivos não adianta. Um exemplo de falta de planejamento urbano é a cidade de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, que conta com 90km de ciclovias não interligados, fazendo com que o ciclista atravesse trechos perigosos durante a viagem.

                   Conheça as melhores cidades do mundo para andar de bike

            A cada dois anos, a empresa dinamarquesa Copenhagenize Design Co. –multinacional especializada em mobilidade urbana – divulga um ranking com as 20 melhores cidades no mundo para andar de bike. A classificação é feita com base em 13 critérios desenvolvidos pela própria empresa, entre eles: infraestrutura, legislação, cultura de bicicleta e segurança. As cidades europeias são maioria.

A primeira colocada, Copenhagen, possui mais de 400 km de ciclovias espalhadas pela cidade, e aposta nas chamadas ciclovias verdes, que não têm qualquer conexão com automóveis e deixam a vida dos ciclistas muito mais segura. Em 2015, a única cidade latino americana que estava no ranking, Buenos Aires, não apareceu na última edição. Com mais de 130 quilômetros de ciclovias, além do sistema de empréstimo gratuito de bicicleta para a população, a cidade se encontrava na 14ª posição, hoje ocupada pela cidade espanhola de Sevilla.

Confira o ranking abaixo:

  1. Copenhagen (Dinamarca)
  2. Utrecht (Holanda)
  3. Amsterdam (Holanda)
  4. Strasbourg (França)
  5. Malmö (Suécia)
  6. Bordeaux (França)
  7. Antwerp (Bélgica)
  8. Ljubljana (Eslovênia)
  9. Tokyo (Japão)
  10. Berlin (Alemanha)
  11. Barcelona (Espanha)
  12. Vienna (Áustria)
  13. Paris (França)
  14. Seville (Espanha)
  15. Munich (Alemanha)
  16. Nantes (França)
  17. Hamburg (Alemanha)
  18. Helsinki (Finlândia)
  19. Oslo (Noruega)
  20. Montréal (Canadá)

Byke Station pensando no futuro

            Pensando em promover e melhorar a infraestrutura do espaço cicloviário nas cidades brasileiras, a Byke Station oferece produtos especializados para o público praticante do ciclismo, seja como lazer, esporte, ou meio de transporte.

As vending machines da Byke proporcionam ao ciclista, equipamentos de qualidade e por um preço acesssível. Assim, aos poucos, vamos melhorando a estrutura das ciclovias, e incentivando cada vez mais pessoas a adotarem a bicicleta no dia a dia.

Para saber mais sobre nossos serviços, nos siga nas redes sociais! Você encontra mais informações no nosso Facebook @BykeStatoin e Instagram @BykeStation.br

  

2018-05-03T13:12:28+00:00
Ao usar este site, você concorda com nossa Política de Privacidade Ok